Melhor Motorista de Caminhão de Minério

Motorista treinado e capacitado, evita acidentes, dirige com responsabilidade. O titulo de Melhor Motorista de Caminhão, visa conscientizar os motoristas profissionais a se qualificar e adquirir conhecimentos técnicos para melhoria na prestação de serviço.

A competição “Melhor Motorista de Caminhão de Minério”, promovida pela Scania, visa reforçar entre os motoristas conceitos de direção segura A Scania lançou, em parceria com a Vale, um desafio para os 3000 motoristas que fazem o transporte rodoviário de minério nas regiões de Inconfidentes e Alto do Paraopeba, em Minas Gerais: descobrir quem é o “Melhor Motorista de Caminhão de Minério”.

A iniciativa visa reforçar conceitos de direção segura e, com isso, contribuir para a redução do número de acidentes nas estradas que cortam a região, principalmente a BR-040, uma das campeãs do estado em número de vítimas.

As inscrições para o concurso vão de 1.o de setembro a 31 de outubro e, para participar, os motoristas precisam possuir Carteira de Habilitação Categoria E.

Os formulários estarão disponíveis na concessionária Itaipu, em Contagem, nas balanças das minas do Pico e Fábrica, ambas da Vale, e na balança de Vargem Grande, também da Vale.

Após avaliação teórica, os classificados serão convocados a participar das provas práticas entre os dias 14 e 30 de novembro. A competição acontecerá nos mesmos moldes da versão nacional do “Melhor Motorista de Caminhão do Brasil” que, em sua última edição encerrada em julho, envolveu mais de 21 mil participantes e teve como vencedor o paulista Roberto César Octaviani, da cidade de Osvaldo Cruz (SP).

A Scania fornece veículos para esta aplicação desde 2001. Dos 6500 caminhões da marca vendidos no ano passado para o mercado brasileiro, mais de 1000 foram destinados a operações fora-de-estrada. Desse volume, 50% foram para as minas, principalmente os modelos 8×4 e 6×4. As versões 6×6, com 420 cavalos, e 10X4 com motor de 470 cavalos, completam a gama neste tipo de aplicação.

DESCASO – A expectativa do Sindiextra, sindicato da indústria da mineração, é melhorar a imagem do setor com o investimento que será feito nesta competição, mostrando que as empresas estão preocupadas com a segurança das estradas na região: “Temos planos inclusive de instalar balanças em alguns trechos da BR 040, embora a rodovia seja de jurisdição federal e precise urgentemente de investimentos”, reclama o presidente da entidade, José Fernando Coura.

A rodovia liga Belo Horizonte a Brasília e ao Rio de Janeiro e está com a pavimentação precária. Só neste primeiro trecho, o movimento chega a mais de 10.000 veículos por dia. Em toda sua extensão, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram registrados 4.062 acidentes no ano passado, com 1.983 feridos leves, 721 graves e 197 mortes, em média mais de uma a cada dois dias.

Segundo o site da Assembléia Legislativa de Minas Gerais, duas comissões foram criadas em 2007 para debater o tema e uma das soluções apresentadas foi a construção de uma rodovia alternativa apenas para o transporte de minério.

A atual fase de expansão da exploração das minas também colabora para o aumento do tráfego de caminhões. Durante os períodos de estiagem, a poeira gerada pelo transporte do minério reduz a visibilidade dos motoristas. Na chuva, o pó se transforma numa lama que cobre o pára-brisa, acarretando perda da visibilidade e também causando acidentes.

Minas Gerais é responsável por 75% do minério e 40% do aço que se produz no Brasil, segundo o Sindiextra que estima em 9% a participação do transporte rodoviário na planilha de custos das mineradoras.

A Vale, maior produtora de minério de ferro do mundo, alcançou a marca histórica de produção de 295,9 milhões de toneladas em 2007, o que representa um aumento de 12% em relação ao ano anterior. Desse montante de minério, apenas 10% ficam no Brasil; a grande maioria é exportada.